24 de out de 2011

Casa caiada é Cool! Receitas, passo-a-passo e dicas inéditas.

Tintas artesanais, ecológicas e sustentáveis - A Base de Cal, Aditivos e Pigmentos Naturais. Confira minhas receitas, passo-a-passo e dicas inéditas!
Lembra que a gente começou a falar láááá atrás sobre o que são as Tintas Ecológicas?

E que depois escrevi mais especificamente sobre Tintas Artesanais e Ecológicas a Base de Terra?

Pois então agora chegou a vez de falarmos das Tintas a Base de Cal, Aditivos e Pigmentos Naturais com o máximo de profundidade para derrubar de vez quaisquer resistências sobre esse tipo de pintura.

Sou totalmente adepta mesmo, tá?! Uso, recomendo e ensino nas minhas oficinas essas técnicas, porque além de serem naturais e totalmente isentas de COVs, (Compostos Orgânicos voláteis), que são substâncias tóxicas presentes nas fórmulas das tintas industrializadas, as tintas ecológicas tem de quebra ainda um custo tremendamente inferior das compradas por aí. 

Considero esse ponto importantíssimo, porque enquanto uma lata de 18 Lts de tinta acrílica, aqui no Rio, custa algo em torno de 200 reais, a mesma quantidade de tinta ecológica artesanal custa de zero a 30 reais!!!

E não é só por isso não! As tintas artesanais, ecológicas e sustentáveis ficam perfeitas em todas as casas, apartamentos e outros locais; especialmente escolas, creches, hospitais, clínicas, consultórios, empresas e etc e são as mais indicadas também à todos os lugares onde haja concentração de crianças ou pessoas alérgicas.

Aliás, são boas e saudáveis pra todo mundo, porque não impregnam os ambientes como as demais tintas prontas, pois não levam “veneno” nenhum nas suas receitas. Saiba mais sobre a saúde da sua casa e conheça também minhas 26 dicas da casa mais sustentável:sem quebra-quebra!

“Pintura com Cal é brega!”

Que nada, puro preconceito! Pintar com Cal é uma das técnicas mais antigas e difundidas que existem e é Cool, pois é ecológica, sustentável, barata, saudável, rápida de fazer e fácil de aplicar, mudando logo a “cara” do ambiente.
Talvez, justamente por ser um produto corriqueiro e barato, que pode ser comprado em qualquer pequena loja nos mais remotos confins, ela tenha despertado o descaso dos consumidores das classes médias e altas.

O golpe final (ou a "Pá de Cal" - perdoem, não aguentei segurar o trocadilho infame...rs..), coube às indústrias de tintas, que ao perceberem esse preconceito e sempre ávidas em impingir seus produtos de tecnologias cada vez mais caras, se incumbirem de investir na total destruição da imagem da pintura com Cal. 

Mas a sabedoria popular é mesmo notável, pois somado à todos os seus predicados, a Cal é dotada de uma profunda ação fungicida, não contém insumos tóxicos, permite a difusão do vapor d’água e de gases das superfícies (permite a “respiração” das superfícies), e ainda age como um verdadeiro antídoto contra as umidades!!! 

No passado, realmente ela apresentava lá os seus problemas, tais como: baixa viscosidade (escorria e respingava demais durante a aplicação); não oferecia uma boa cobertura das superfícies e não fixava completamente nas depois de seca, fazendo o pó se desprender e grudar em roupas e na pele. Além disso, não demorava muito e a cor logo desbotava. 

Tudo isso foi solucionado de forma ecológica e sustentável, através do resgate da técnica e a reformulação das antigas fórmulas da pintura com Cal com a incorporação de aditivos naturais - Fixadores e Aglutinantes - produtos que melhoram a aplicação e a durabilidade da pintura sem anular a qualidade ambiental do produto e sem usar produtos químicos!

“Mas, do que mesmo é feita a Cal, hein?!”

A Cal é um insumo natural resultante da transformação de rochas de Carbonato de Cálcio em Óxido de Cálcio, através da Calcinação (que é um processo de queima numa temperatura de 1200˚C). Aí o Óxido de Cálcio é então transformado em Hidróxido de Cálcio através da ação da água e gradativamente vai voltando a condição original da rocha, que uma vez moída recebe o nome de Cal, como é popularmente conhecida.

“O que mudou tanto assim na pintura com Cal dos dias de hoje?”

Não é que ela tenha mudado, mas sim, que a técnica reformulada e aprimorada vem sendo mais difundida, vencendo aos poucos os preconceitos. 

Hoje em dia podemos afirmar que a pintura com Cal pode ser bem mais durável e muito chique!!!

Porque ser chique atualmente é ser ecológico, sustentável, econômico e mais saudável. Somando-se a isso temos e facilidade do preparo e aplicação e também mais três pontos a favor da “nova” pintura a base de Cal:
  1. Completa aderência à superfície;
  2. Maior durabilidade;
  3. Maior manutenção da cor (pigmento).
Esse tipo de tinta pode durar tanto quanto a tinta convencional, desde que a mistura receba os Aglutinantes, Fixadores e Impermeabilizantes Naturais, que já mencionei, como por exemplo, a Cola PVC (ou Leite de Cola), ou o Sumo de Cactos (Cactos de Palma) ou então a Cola de Grude. 

As tintas ecológicas e sustentáveis a Base de Cal ficam especialmente bacanas quando aplicadas em superfícies rústicas, rugosas e “cruas” e podem ser lavadas após três meses depois da sua aplicação. 

O único senão dessas tintas é a dificuldade de fazê-la aderir completamente às paredes anteriormente emassadas e pintadas. Nesses casos é necessária a completa raspagem e lixamento da parede sob pena da pintura a Cal não se fixar e se desprender junto com a camada de tinta antiga. 
Esses mínimos cuidados asseguram a perfeita aderência da pintura e o resultado final chiquérrimo.

“Quais são os aglutinantes,impermeabilizantes, fixadores naturais que posso usar?” 
  1. Cola Industrializada: Indico a que sempre uso, que é a Cola Cascorez de rótulo azul, porque é mais concentrada e mais resistente à água e à humidade, mas acarreta num custo maior, porque para cada 18 Lts de tinta uso no mínimo 02 Lts. (02 vidros grandes) de cola. Há quem coloque mais cola e até o dobro disso, mas eu uso essa quantidade justamente para não selar a parede com uma camada de “filme” que vai impedir a perfeita “respiração” da parede. Com esse ingrediente, a tinta pode ser usada tanto interna quanto externamente. Se você optar por usar a Cola, dilue-a previamente com água, formando o "caldo" que chamo de Leite de Cola, antes de adicioná-la aos demais ingredientes secos. E use ao menos 02 litros de água para cada litro de cola que usar, tratando de misturar muito bem.
  2. Baba de Cactos (ou opcionalmente de Babosa - Aloe Vera): Esse é o igrediente que mais gosto e uso. Simplesmente porque ele é 100% natural, tem um custo zero e não "sela" a parede. Com esse ingrediente, a tinta pode ser usada tanto interna quanto externamente. Dê uma olhada aí na sua vizinhança. Fuxique bem ao redor e "desenrole" a doação dos vizinhos que tiverem essas plantinhas em seus jaardins. Eles costumam ser excelentes “fornecedores” de Cactos e Babosa pra gente Smiley piscando
  3. Cola de grude (não serve para superfícies externas - Nem tente!!! ). Eu não uso a cola de grude. Não é por nada não, é só porque aqui e em todo lugar no Brasil, tem cactos a vontade Rindo e porque quando vou ministrar minhas oficinas e workshpos só menciono essa cola como uma das alternativas. É que geralmente é mais complicado ter um fogão por perto para preparar essa cola nessas ocasiões e o seu preparo requer, incodicionalmente, que ela seja feita como um mingau, em fogo brando e mexendo sempre..
Além disso, introduzimos os Pigmentos Naturais na receita, o quê nos possibilita obter cores e tons variados, misturando-os inclusive entre si, resultando numa imensa cartela de cores.

“Caiação colorida com Pigmentos Naturais? Explica isso!”
De origem vegetal, mineral ou animal, pigmentos são substâncias que dão cor à tudo o que vemos.


Pigmentos ou corantes naturais podem ser obtidos de frutas, sementes, raízes, cascas de árvores, caules, flores e folhas sempre secas(torradas) e trituradas (para que outros componentes, como a clorofila dos materiais frescos, não alterem a coloração final). 
Uma outra boa fonte de pigmentos secos é a prórpia terra, bem peneirada, moída até ser reduzida a pó.


Alguns exemplos cores e tons obtidos com pigmentos ou corantes naturais em pó:
  • Amarelos -> Açafrão, cúrcuma ou Cury;
  • Alaranjados e cor de abóbora -> Colorau (urucum em pó);
  • Azuis -> Anil em pó (Waaji). Não use aquelas barrinhas de mercado. elas não colorem nada. Procure pelo anil importado que é concentrado;
  • Salmão-> Páprica;
  • Verdes -> Folhas de carqueja, boldo e outras bem verdes, sinal de muita clorofila. Torre bem e transforme em pó;
  • Roxo e lilás -> Casca de uvas, sementes de jenipapo torradas e moídas a ponto de pó, etc.;
  • Marrons -> Pó de café pilado e peneirado, terra, etc.;
  • Cinza-> Pó de carvão de madeira ralado bem fino e peneirado.
Nada contra usar o tão famoso pó xadrez também, que deve ser misturado à seco na Cal. Se essa for a sua opção anota loga aí essas dicas:
  • Para obter tons mais claros coloque 01 medida de Pó Xadrez® para cada 20 medidas de Cal de pintura.
  • Para obter tons mais intensos coloque 01 medida do Pó Xadrez® para cada 10 medidas de Cal de pintura.
Pode até mesmo usar o Xadrez® Líquido, que é ultra concentrado Nesse caso, ele só deve ir sendo acrescentado aos poucos, depois de se misturar a cal com os ingredientes líquidos, até que consiga a cor e tom desejados.

Mas aí vai um aviso aos navegantes, jamais espere que as superfícies pintadas com Cal tenham a mesma aparência final daquelas em que se usam as tintas industrializadas, pois o resultado será sempre o de uma pintura rústica e manchada. O que particularmente acho bacanérrimo.

Receita de Tinta a Base de Cal®: 

Com a receita abaixo você vai obter aproximadamente 18 Lts de tinta. Existem diversas variações de receitas por aí, mas é essa a que ensino nas minhas oficinas e workshops e é a que uso nas minhas reformas e obras., inclusive na minha própria casa.

Ingredientes:
  • 1 saco de Cal (8kg) para pintura. Compre uma Cal de boa qualidade, própria para pintura e bem fininha para não precisar peneirar. É que no mercado  tem muita Cal de baixa qualidade, ou próprias à uma outra finalidade. Algumas vem com pedacinhos de conchas e outros materiais grosseiros que dificultam a aplicação e se soltam facilmente da parede. Aviso que se você bobear, e acabar tendo que usar uma dessas, não vai conseguir um resultado legal.Smiley confuso
  • 150 grs. de sal refinado: Juntando o sal na mistura você estará assegurando a manutenção da cor por muito mais tempo, além combater microorganismos indesejávei, porque o sal tem propriedades antibacterianas notriamente conhecidas;
  • 10 Lts de Água: Essa é uma medida aproximada. O ideal é você ir adicionando a água aos poucos até atingir a viscosidade e consistência desejadas. Separe cerca de 4 a 5 Lts  dessa água para misturar bem o aglutinante/fixador/impermeabilizante (Cola PVC, Sumo de Cactos, etc);
  • 2 Lts de Cola PCV:  Num recipiente separado, dilua a Cola PVC diluída água ( estará produzindo o Leite de Cola que falei acima), ou os  de 4  a 5 litros de Sumo de Cactos que produziu, ou a Cola de Grude
  • 150 Ml de Óleo de Linhaça: Acrescentar o óleo de linhaça é opcional, mas vale muito a pena,  porque ele é secativo, dá mais fluidez à aplicação da tinta melhorando o deslizamento do pincel, brocha, trincha ou rolo que estiver usando e também ajuda na fixação e na durabilidade da pintura. Sou fã de carteirainha do óleo de linhaça!
Modo de fazer:
  • Coloque a Cal numa lata ou balde plástico que comporte mais de 18 Lts e adicione o sal e pigmentos em pó;
  • à parte, misture bem a água com a Cola (Leite de Cola), ou use direto o Sumo de Cactos ou então a Cola de Grude. Você pode controlar a viscosidade final da tinta, aplicando a água aos poucos, sempre misturando bem com um cabo de vassoura ou uma colher de pau de cabo bem longo.
    Prontinho, agora é só usar!!!

Receita do Sumo de Cactos®:

O Cacto que uso é o que encontro com facilidade aqui na roça onde moro e hoje já tenho até minha própria moitinha no quintal e mudinhas. É uma planta corriqueira e é bem capaz de você encontrá-la aí na sua vizinhança ou no jardim de algum parente.
Ingredientes:
  • 1Kg de Cactos de Palma (que não precisa estar com flores como na imagem acima); ou de Babosa (Aloe Vera)
  • 4 Lts de Água.
Modo de fazer:

Pegue a quantidade de Cactos que indiquei, tomando o cuidado de usar luvas grossas para lidar com essa plantinha, porque dos espinhos dela que são terríveis, apesar de aparentemente inofensivos, ou use folhas de Babosa como substituição ao Cactos. Pique em pedaços nem muito grandes, nem muito pequenos e coloque tudo de molho num balde com mais ou menos 4 Lts de água, por no mínimo 4 dias seguidos e deixe tampado. Ao final, coe tudo numa peneira e esprema bem o bagaço para soltar toda a baba das plantinhas.

Receita da Cola de Grude

Ingredientes:
  • 600 gr. ( ou 06 xícaras de polvilho azedo ou goma de tapioca);
  • 100 gr. ( ou 01 xícara), de soda cáustica em escama (anti mofo, fungicida), ou então 100 ml de óleo de alho (opcional – anti mofo, fungicida. Eu prefiro esse último por ser natural e não fazer nenhum mal à saúde de quem está manipulando;
  • 10 Lts. de água.
Modo de fazer:

Leve tudo bem misturado ao fogo brando, mexendo sempre até engrossar. Se usar soda cáustica use luvas e coloque um pano úmido cobrindo o rosto para não inalar os gases enquanto estiver mexendo o mingau. Deixe esfriar e está pronto para ser usado.

Dicas importantes®:
  • Não substitua em hipótese nenhuma o óleo de linhaça por óleos de soja, azeite etc., esses produtos facilitam a proliferação de fungos, bactérias e algas;
  • A pintura com Cal não dá muita cobertura enquanto a demão ainda estiver úmida e o resultado final da cor só poderá ser avaliado depois da demão completamente seca;
  • Essa tinta é perfeita para ser aplicada diretamente em alvenarias de tijolos de barro ou blocos de concreto, com ou sem reboco ou emboço;
  • É ideal para paredes de tijolos de adobe, taipa de mão (estuque), taipa de pilão, para estruturas feitas com Cob e para paredes de Cordwood;
  • Ficam especialmente bonitas em painéis de madeira e em compensados crus, artesanatos de cerâmica e papel. Eu nunca experimentei em gesso e se você testar, me conta como ficou, ok?;
  • Pode ser utilizada em áreas externas e internas, de preferência sobre o reboco (sem massa corrida), sobre reboco de cal e terra ou diretamente sobre parede de terra crua, desde que se observando detalhes construtivos como beirais largos que aumentam a proteção das paredes das águas de chuvas e da sujeira, aumentam muito a durabilidade da pintura;
  • A superfície não pode ter mofo, infiltrações etc., ela deve estar limpa, regular e sem poeira;
  • Pega muito bem em madeiras cruas,
  • Não serve para ser aplicada em estruturas de concreto armado, porque elas costumam ter pouquíssima porosidade e a tinta não vai fixar bem, nem por um decreto;
  • Não serve para ser aplicada em paredes emassadas e lixadas, nem pintadas com tintas acrílicas, esmaltes ou vernizes;
  • Antes de começar a pintar, molhe bem a superfície de aplicação  para obter um melhor desempenho e camadas de pintura mais firmes o que ajuda na fixação e durabilidade da pintura devido a secagem mais lenta;
  • Aplique as Tintas de Cal com uma broxa ou rolo de lã em movimentos hori­zontais e/ou verticais, como se estivese desenhando um "V" na parede
  • ; Será preciso de 2 a 3 demãos para o resultado ficar bom. Aplique as 2 primeiras demãos em camadas mais finas para garantir uma boa aderência, devendo a segunda demão ser dada antes de terminar a secagem da primeira. Aplique até no máximo 3 demãos;
  • Sempre que possível espere de 12 a 24 h. entre uma demão e outra, dependendo da umidade e/ou calor no local, da estação ou da região onde será usada;
  • Você pode usar pincéis, brochas, trinchas e até rolo de lã, pois com essa receita, a tinta flui muito bem na superfície e respinga bem pouco. Usando o rolo você terá um acabamento mais liso e homogêneo;
  • Não crie a expectativa que a pintura ficará uniforme, toda chapada. Esse tipo de pintura é pra quem assume a sua porção rústica e desencanada. "Dondocas" geralmente detestam esse tipo de pintura antes de ver o resultado, preferindo comprar produtos industrializados, já prontos no comércio, que imitam a textura e o jeitão manchado da Pintura com Cal;
  • Se precisar guardar sobras de tinta, use aqueles baldes de cloro reutilizados, que tem uma tampa hermética. Se forguardado assim, vai durar pra caramba ( pelo meonso 2 anos). Só não pode estocar essa tinta em çocais muito quentes, nem ensolarados, senão a Cola PVC solidifica e não desmancha Outro senão, é que se se tiver alguma matéria orgânica ali dentro, a tinta fica imprestável, com odor horrível. E  terá que ser descartada.

Estudo de caso®:

Consegui recuperar uma parede daqui de casa, que estava inteiramente acabada por causa de uma infiltração vinda do vizinho. Eram 12 m2 da parede da copa, enegrecidas pela humidade e mofo. Estava mesmo um horror!

Cada pessoa que vinha aqui me visitar, sacava da idéia alguma solução, mas todas eram absolutamente tóxicas, drásticas ou caríssimas.

Um dia, decidi tentar recuperá-la sozinha, usando apenas, uma lixa, uma raspadeira, uma vassoura de piaçava e uma de pelo e a minha Tinta com Cal, que preparei só na hora de pintar.

Incrivelmente a parede se curou! Parece até um milagre! Mas foi isso mesmo.
Ela ficou sem nenhum resquício de umidade, mofo, nadinha. Sumiu tudo!!!!

Pode acreditar. Depois faço uma postagem com as fotos do antes e do depois pra você você conferir.
Esse artigo ficou bem cumprido. Praticamente uma tese! Smiley nerd…rs…mas espero que você tenha gostado, porque pra mim vale tudo pra te ajudar a conseguir fazer uma pintura Mega Cool, usando a Tinta Ecológica a Base de Cal e Pigmentos Naturais!

Licença Creative Commons
A obra Lecy C. Picorelli - Bioarquitetura e Bioconstrução de Lecy C. Picorelli - Bioarquitetura e Bioconstrução foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em lecycpicorelli-bioarquitetura.blogspot.com.
Podem estar disponíveis permissões adicionais ao âmbito desta licença em http://lecycpicorelli-bioarquitetura.blogspot.com/p/contato.html.creative

28 comentários:

Osvaldo disse...

Muito maneiro o post! Existe um lugar em que encontro esses produtos naturais já prontos? Acho que vou experimentar...

Lecy C. Picorelli - Bioarquitetura e Bioconstrução disse...

Oi Osvaldo,
Obrigada pela visita e elogios. Que legal ter se animado a experiementar. Acho que vai gostar. Depois me mande fotos da sua pintura pronta.

Que eu saiba, não existe a Tinta Ecológica a Base de Cal, Aditivos e Oigmentos Naturais pronta para comprar. Mas você certamente vai encontrar a venda a Cal, a cola, o sal refinado, o óleo de linhaça, os pigmentos em pó naturais e os industrializados (Xadrez). Daí é só misturar como explico no meu artigo.

Visitei o site da sua empresa. Gostei muito e inclusive adicionei aos meus favoritos.

Volte sempre!
Um abraço,

giomara disse...

OI, MEU NOME É GIOMARA, SOU DE MOSSORO, RN. FAÇO FACULDADE DE ARQUITETURA NA UNP- UNIVERSIDADE POTIGUAR, ESTAMOS FAZENDO UM TRABALHO SOBRE TINTAS SUSTENTAVEIS. E ESTAMOS QUERENDO FABRICAR UMA TINTA QUE NAO AGRIDA O MEIO AMBIENTE E APLICA-LA NO REAPROVEITAMENTO DE UM MOVEL DE MADERIA... VOCE ACHA QUE ESSA TINTA QUE VC ENSINA FAZER AI NO BLOG, DARIA CERTO PARA APLICAR NESSE MOVEL DE MADEIRA? DESDE JA AGRADEÇO SUA AJUDA.

Lecy C. Picorelli - Bioarquitetura e Bioconstrução disse...

Olá Giomara,
Seja bem vinda! É muito legal receber novas pessoas e comentários aqui no blog!
As tintas que ensino nas minhas oficinas e workshops para Prefeituras, ONGs e Instituições, funcionam perfeitamente em madeira crua. Se for esse e o estado do móvel, é provavel que funcione também. Sugiro que solicite à algum representante do seu Curso ou da UNP que me contatem para, quem sabe, desenvolvermos mais conhecimentos, pesquisas e laborátorios nas minhas especialidades em arquitetura, construção e design de mobiliários sustentáveis e com reciclados. Terei imensa satisfação em formar futuras parcerias acadêmicas!
Um abraço,

samanta disse...

que demais o post! minha casa já tá caiada...logo logo vou testar a cal com terra pra pintar os muros. bjos Lecy

Lecy C. Picorelli - Bioarquitetura e Bioconstrução disse...

Oi Samanta,
É muito, muito bom recebê-la!
Coloca umas fotos pra gente ver como ficou a sua casa caiada.
Obrigada pela visita e pelo comentário!
Volte sempre!!!
Um beijão

Cris disse...

Olá, Lecy
Acabo de descobrir seu blog ao procurar uma alternativa ecológica, barata e "lavável" para recobrir as pedras da lareira do imóvel que estou alugando.
A sala é azul, o piso é de um marrom escuro mesclado com bege bem feinho e a lareira tem este revestimento de pedra (acho que é São Tomé). Como nada combina e não posso recobrir definitivamente as pedras, pensei em pintá-las com cal. Você tem alguma dica de como aplicar para que posteriormente eu possa retirar a cal, quando eu encerrar o contrato de aluguel?
Grande abraço, Cris

Cris disse...

Olá, Lecy
Acabo de descobrir seu blog ao procurar uma alternativa ecológica, barata e "lavável" para recobrir as pedras da lareira do imóvel que estou alugando.
A sala é azul, o piso é de um marrom escuro mesclado com bege bem feinho e a lareira tem este revestimento de pedra (acho que é São Tomé). Como nada combina e não posso recobrir definitivamente as pedras, pensei em pintá-las com cal. Você tem alguma dica de como aplicar para que posteriormente eu possa retirar a cal, quando eu encerrar o contrato de aluguel?
Grande abraço, Cris

Cris disse...

Olá, Lecy
Acabo de descobrir seu blog ao procurar uma alternativa ecológica, barata e "lavável" para recobrir as pedras da lareira do imóvel que estou alugando.
A sala é azul, o piso é de um marrom escuro mesclado com bege bem feinho e a lareira tem este revestimento de pedra (acho que é São Tomé). Como nada combina e não posso recobrir definitivamente as pedras, pensei em pintá-las com cal. Você tem alguma dica de como aplicar para que posteriormente eu possa retirar a cal, quando eu encerrar o contrato de aluguel?
Grande abraço, Cris

Cris disse...

Olá, Lecy! Acabo de descobrir seu blog ao procurar uma solução para a sala do imóvel que estou alugando. Não posso alterá-lo definitivamente, mas... as paredes são azul claro, o piso marrom escuro mesclado com bege e a lareira é revestida de pedras acho que São Tomé (uma misturança). Pensei em pintar a lareira com cal, mas tenho dúvidas se ao terminar o contrato de aluguel conseguirei retirar a cal. Você tem alguma dica para me ajudar? Forte abraço, Cris

sobradodeideias disse...

Esta pintura já dá o efeito bem manchado? Alguma cor desbota mais do que as outras? Posso usar aquele "pó/líquido xadrez" para colorir? Já vi receitas que indicam a mistura com areia. Saberia dizer porque?

bottega disse...

Olá, obrigada pelos esclarecimentos e incentivo. Fui convidada a orientar crianças e jovens na elaboração de composições artísticas (pinturas, stêncils, etc) no muro de escola pública na periferia de SP, como parte do projeto ArtiHorta que prevê ações de desenvolvimento da criatividade, cidadania, senso crítico e responsabilidade na transformação da realidade e do comportamento.
Juntamente com a temática a ser abordada e mais importante até do que os esclarecimentos inerentes á prática artística, é a possibilidade desta escola, e da comunidade na qual se insere, ter contato com uma alternativa de pintura que seja coerente com a proposta do projeto.
Sei que o efeito do cal pigmentado é mais suave mas ainda assim gostaria de repassar o seu ensinamento. Você acha viável serem feitos desenhos com este tipo de tinta?
Gostaria de participar conosco desta atividade no dia 22 de novembro/2012?

Att.
Rosana Schmitt Silva
design e cenografia

jp disse...

gostaria que voçe me esclareça um pouco mais sobre o uso da babosa. Ou melhor como usa-la no preparo...
Obrigado

Lecy C. Picorelli disse...

Oi JP,
A baba da babobsa é usada em substituição ao uso da cola industrializada ou ao uso da baba de cactus.
Esses ingredientes tem uma função semelhante na mistura da tinta artesanal eco sustentável, que é a de servir como aglutinante, que é um componente que impede que a parede fique soltando aquele pozinho depois que a pintura com a Cal seca e também preservando a pintura das superfícies expostas a ação da chuva, impermeabilizando levemente a superfície pintada, sem no entanto, selar (tampar como se fosse um filme plástico) os poros da parede.
Um abraço,
Lecy

michelle barra disse...

Olá Lecy, trabalho na PMERJ, onde temos uma creche e gostaria de saber se corre o risco da tinta ser alérgica, se as paredes podem ser lavadas, vamos fazer uma pintura em cima da tinta que ja tem, como preparar a parde para receber a tinta sustentável?
Obrigada.

Marcos Godoi disse...

Adorei todas as dicas e seu senso de humor. Parabéns

Marcos Godoi disse...

Adorei todas as dicas, a sua paciência em escrever tantos detalhes e seu senso de humor.Parabéns

Marcos Godoi disse...

Adorei todas as dicas e seu senso de humor. Parabéns

silvano nicomedes disse...

use uma furadeira com o batedor de claras da maquina de bolo e obtenha uma homogenização perfeita

Daniela Pardi disse...

Agradeço demais pelas dicas, Lecy. Vou fazer minha casa caiada, e seu blog foi super útil! Pela sua receita com cola, calculei que para os 10l de água vou gastar uns R$ 36,00. Mas essa quantidade de mistura cobre quantos metros quadrados(considerando as 3 demãos, como vc sugeriu)??

Super grata,
Daniela

Daniela Pardi disse...

Agradeço demais pelas dicas, Lecy. Vou fazer minha casa caiada, e seu blog foi super útil! Pela sua receita com cola, calculei que para os 10l de água vou gastar uns R$ 36,00. Mas essa quantidade de mistura cobre quantos metros quadrados(considerando as 3 demãos, como vc sugeriu)??

Super grata,
Daniela

Marlene Koch disse...

Excelente. Vc colocou tudo direitinho para qualquer leigo entender. Fiz várias pesquisas na net sobre cal, baba de cactus, etc... para se pintar com cal. Vc superou minhas expectativas. Amei.

C Troyano disse...

Parabéns pelas dicas Lecy
Se vc me permitir e, apenas como uma dica, eu utilizo uma tinta feita com 1 de cimento por 1 de cal, para uma eventual "base" quando houver problemas de umidade e/ou excesso de areia nos muros.
Molho bem a parede com água, aplico essa mistura com uma trincha, aguardo secar e procedo a pintura normalmente com a cal.
Fica legal e evita que que o muro continue se desmanchando...
Um grande abraço,
Troya

Megatri disse...

Boa noite Lecy,adorei as dicas do seu blog,eu tenho uma casa de madeira tratada,vc acha que alguma dessas técnicas pode ser aplicada sobre a madeira desta forma?
Grata
Riane

Roberta Milani disse...

Oi Lecy, boa tarde!
Muito bom seu post, bem explicativo...Estou construindo uma casa em pínus autoclavado e queria fazer a pintura com cal nas paredes externas para dar um ar mais rústico e cool para minha casa, é possível passar a tinta de cal direto sobre a parede de madeira de pínus autoclavado? preciso passar algum selador antes ou algum outro produto na madeira, ou antes ou depois? Estou com dúvidas por que me disseram que o pínus vai rachar com a aplicação direta do cal, e fiquei com medo que isso ocorra.
Obrigada,
Roberta

ARTTRIP1 disse...

Boa tarde Lecy, adorei suas dicas. Comprei pigmentos naturais no Marrocos,em cores lindas, e quero pintar madeira. Devo usar a mistura com cal, ou nesse caso a água e a tinta branca já são suficientes?

Super obrigada,
Katia

Laura disse...

Lecy, foi demais o seu artigo! Me ajudou a esclarecer muitas coisas. Vou começar a pintar hoje e tenho uma pequena dúvida: minha casa já é toda caiada, tenho que retirar esta pintura ou já posso ir direto? Minha ideia é primeiro usar só o cal para cubrir as cores fortes e depois misturar o pigmento na segunda demão para conseguir o tom que quero. O que você acha? Obrigada, abraços!

Daniel Escobar disse...

Seu Post me ajudou muito a esclarecer algumas dúvidas a respeito desta técnica e me deixou muito entusiasmado para aplicar o aprendizado. A sua boa vontade em detalhar bem (tese) foi o mais importante, pois o detalhamento foi incrível. Fiquei fã.

Parabéns

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...